Internet para todos e oportunidades para provedores SCM

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
(MCTIC) vai definir ainda em janeiro as primeiras 300 localidades que serão
conectadas pelo programa Internet para Todos. O anúncio foi feito pelo ministro
Gilberto Kassab, durante a apresentação da iniciativa no interior de São Paulo
na sexta-feira 12,01.

O Internet para Todos é uma iniciativa do MCTIC que vai
levar conexão em banda larga para milhares de localidades de todo o país a
preços reduzidos. O objetivo é democratizar o acesso à internet buscando a
inclusão social. “Hoje, 70% dos brasileiros acessam a internet regularmente,
enquanto 30% não tem acesso à rede, o que dá 60 milhões de pessoas. Desse
total, pelo menos 20 milhões são pessoas que tem um celular, mas não podem
usá-lo onde moram e serão beneficiadas diretamente por esse programa”, destacou
o ministro.
As cidades beneficiadas recebem uma antena e serão
conectadas pelo Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC),
lançado em maio de 2017, e pelo programa Governo Eletrônico – Serviço de
Atendimento ao Cidadão (Gesac). O ministro também destacou as parcerias do
MCTIC com outras pastas que vão permitir o uso da banda larga para o
monitoramento de fronteiras e a conexão de equipamentos públicos de educação e
saúde.
“Firmamos um convênio com o Ministério da Defesa e separamos
30% da capacidade do equipamento, o que vai permitir o monitoramento de 100%
das fronteiras do país. Uma parceria com o Ministério da Educação vai levar
banda larga a 7 mil escolas públicas só em 2018. Também estamos finalizando um
convênio com o Ministério da Saúde para colocar internet em 100% dos
equipamentos de saúde do país, o que vai melhorar a qualidade do atendimento”,
listou Gilberto Kassab.

Para dar cumprimento a agenda, estão abertas as inscrições
para as empresas interessadas em participar do programa. As companhias precisam
encaminhar um documento à Secretaria de Telecomunicações do MCTIC (Setel),
indicando uma localidade, demonstrar capacidade para atendê-la e apresentar
proposta de velocidades, cronograma, estimativa de preço, tecnologia e serviço
a ser ofertado, além de comprovar que possui os requisitos previstos pela
Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para a prestação do Serviço de
Comunicação Multimídia.
Fonte:Convergência Digital

Satélite 100% elétrico da Eutelsat já está em serviço

O satélite totalmente elétrico EUTELSAT 172B já está em
serviço, oferecendo conectividade e transmissão de dado para usuários da vasta
região que vai desde a costa oeste da América até a Ásia, Oceania e sobre o
Oceano Pacífico. A empresa informa que a transferência dos serviços do EUTELSAT
172A para o EUTELSAT 172B foi realizada sem contratempos, em uma série de
manobras noturnas. Agora o satélite EUTELSAT 172A poderá ser deslocado para uma
órbita alternativa, atendendo clientes da região Ásia-Pacífico.
Lançado em junho do ano passado, o EUTELSAT 172B passa a ser
o satélite que alcançou mais rápido a sua órbita geoestacionária (em apenas
quatro meses) usando propulsão elétrica; e é também o primeiro otimizado para a
conexão em voo ao redor da região do Oceano Pacífico. Sua inovadora tecnologia
de alta transferência de carga útil, formada por 11 feixes direcionáveis
(spotbeams), irá transformar o rendimento do sinal, capacitando sua força para
ser dinamicamente alocada nas rotas de alto tráfego de aeronaves da região
Ásia-Pacífico. Isso irá permitir à Panasonic, o maior cliente de dados via
satélite, melhorar o nível de serviços para as linhas aéreas, atendendo melhor
as demandas de seus passageiros.
Além da alta taxa de transferência de carga útil, o EUTELSAT
172B irá aumentar significativamente a largura de banda na posição 172º Leste
com capacidade de banda C, assim como a capacidade de banda Ku flexível,
distribuída em cinco áreas de serviço de Widebeam interligadas. A capacidade de
banda Ku do satélite será utilizada para fornecer televisão em tempo real para
passageiros em voo, além de permitir conectividade marítima, de vídeo,
empresarial e oferecer infraestrutura de rede para celulares e serviços
governamentais.

Fonte: Convergência Digital

Guerra das concessionárias de energia elétrica esquentam contra provedores de internet.



GUERRA DAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA ESQUENTAM CONTRA PROVEDORES DE INTERNET.

As concessionárias de energia elétrica em todo BRASIL declararam guerra aos PROVEDORES DE INTERNET que não tem seus projetos de cabeamento devidamente registrados e autorizados.
Em alguns ESTADOS as concessionarias notificam, dando um prazo para que as empresas que passaram seus cabeamentos nos postes apresentem seus projetos juntos ao órgão, mas muitos não apresentaram, desta forma as empresas estão efetuando os cortes dos cabeamentos sem nenhuma cerimônia.

A guerra se iniciou com as prefeituras que resolveram questionar juntos as concessionarias sobre os cabeamentos que ofereciam risco a pedestres ou apresentavam poluição visual.

Assim, começou as operações para mapear fiação irregular e o esforço de manutenção do sistema.

A partir daí a distribuidora repassou a dor de cabeça às locatárias dos postes.

E hoje a ação das distribuidoras de energia elétrica está sendo os cortes dos cabeamentos em quase todos os ESTADOS do brasil.

Fonte José Roberto – Projetar

Taxas anuais da Anatel

TAXAS ANUAIS DA ANATEL

Todo o começo de ano tem de serem feitos os pagamentos das taxas anuais das estações licenciadas na ANATEL para as empresas OUTORGADAS.

TFF (Taxa de Fiscalização de Funcionamento), que correspondia a 55% da TFI (R$1340,80), que dava R$737,44 por estação licenciada no ano anterior que é distribuída nas seguintes taxas:

  1. Contribuição para Fomento da Radiodifusão Pública TFF.
  2. TFI
  3. ANCINE participa da partilha destes valores, com a sua CONDECINE

IMPORTANTE RESSALTAR QUE A PROJETAR CONSULTORIA EM TELECOM ENVIARÁ PARA TODOS OS SEUS CLIENTES AS TAXAS ACIMA, AS QUAIS SÃO LIBERADAS A PARTIR DO DIA 20 DE MARÇO DE 2018.

Brasil tem 91% dos sistemas autônomos com alocação IPv6

O
Brasil tem 91% dos sistemas autônomos com alocação IPv6, bastante acima da
média mundial de 55%. Os números foram divulgados durante palestra sobre
numeração e alocação de recursos, ministrada por Ricardo Patara, do NIC.br,
durante a 7ª Semana da infraestrutura da internet no Brasil, que acontece em
São Paulo.
Atualmente,
o País está na terceira fase da política elaborada pelo NIC.br para lidar com o
esgotamento dos endereços IPv4. Desde 15 de fevereiro, estão valendo as
alocações iniciais de no máximo /22. No total, cerca de 4 milhões de endereços
IPv4 estão reservados, sendo que desde fevereiro aproximadamente 1 milhão de
endereços foram alocados.
As
projeções indicam o esgotamento para o fim de 2019. “Buscamos garantir uma
quantidade mínima para novos entrantes”, destacou Patara, explicando que a
política tem beneficiado provedores e organizações que estão entrando. 
Patara
também comentou sobre as novidades da nova política para provedores aprovadas
na última assembleia do Lacnic, realizada em maio deste ano. Entrou em vigor em
agosto último a nova categoria “nano”, que permite alocação de prefixos menores
que /22, podendo ser solicitados /24 ou /23. Desde então, 24 alocações (11
blocos /24 e 13 blocos /23) foram feitas, sendo sete no Brasil.
Além
disto, na assembleia do LACNIC, realizada em maio, também foi aprovado o
aumento do limite superior da categoria small (de 8 mil endereço para 16 mil) e
novas categorias a partir de x-large. Segundo o revelado no evento, quase cem
(96) provedores de internet desceram de médium para small.
  
 Fonte: Canaltech – Tecnologia para quem entende

Receita diz que empresas têm prazo até 28 de fevereiro para qualificar dados no eSocial





Receita diz que empresas têm prazo até 28 de fevereiro para qualificar dados no eSocial

A Receita Federal informa que as cerca de 14 mil empresas obrigadas a prestar contas pelo eSocial, emprega cerca de 15 milhões de trabalhadores, um terço do total terão um prazo para cumprir a primeira etapa do regime até o dia 28 de fevereiro.

Nesse período, disse a Receita, o sistema receberá apenas as informações cadastrais dos empregadores e as relativas às suas tabelas, tais como estabelecimentos, rubricas, cargos, etc. Somente a partir de março será possível o envio dos eventos não periódicos. Até lá, será possível fazer os ajustes necessários na qualificação cadastral dos funcionários, por exemplo.

Segundo o órgão, não há obrigatoriedade de envio dos dados necessariamente nos primeiros dias e a empresa pode fazer os eventuais acertos necessários em seus sistemas internos, bem como se utilizar do ambiente de produção restrita para seus testes, para só depois começar a enviar informações à Base Nacional. Nos próximos dias, estará disponível no portal do eSocial, o canal “Fale Conosco” onde serão recebidas as dúvidas e as críticas sobre o sistema.

Multas e penalidades

As empresas que não enviarem os dados estão sujeitas a penalidades e multas. A multa prevista é de R$ 1,5 mil pelo não envio da escrituração digital, mas esse valor pode ser acumulado com as penalidades previstas pelas omissões das declarações que estarão sendo substituídas pelo eSocial.

O eSocial é um sistema de registro de informações criado para desburocratizar e facilitar a administração de informações relativas aos trabalhadores, para que as empresas possam realizar o cumprimento de suas obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias de forma unificada e organizada. Por meio dele, pretende-se reduzir custos, processos e tempo gastos hoje pelas empresas com essas ações.

Quando totalmente implementado, o eSocial representará a substituição de 15 prestações de informações ao governo por apenas uma. Entre as informações que serão concentradas no sistema estão: Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e de Informações à Previdência Social (GFIP), Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e  Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (DIRF). Com as informações coletadas por cerca de 8 milhões de empresas, será criado um banco de dados único, administrado pelo governo, abrangendo 18 milhões de empregadores e 44 milhões de trabalhadores.

Cronograma de implantação

No fim de novembro, a Receita Federal anunciou o cronograma de implantação do eSocial. A partir de janeiro de 2018, o sistema é obrigatório para entidades empresariais com faturamento no ano de 2016 acima de R$ 78 milhões.

A segunda etapa terá início em 16 de julho de 2018 e abrangerá os demais empregadores, incluindo micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais (MEIs). No caso dos entes públicos, o sistema será implantado a partir de 14 de janeiro de 2019.

O envio de dados também será feito por partes, em cinco fases. Inicialmente, as empresas e órgãos deverão incluir no sistema suas próprias informações, ou seja, cadastros do empregador e tabelas. Os dados sobre os trabalhadores e seus vínculos trabalhistas, como admissões e desligamentos, passam a ser solicitados em um segundo momento.

Posteriormente, passará a ser obrigatório o envio das folhas de pagamento, e, em uma quarta fase, a Guia de Informações à Previdência Social será substituída pelo novo sistema. Na última fase, deverão ser enviados os dados de segurança e saúde do trabalhador.